TEQUILA


Não sei se eu sou o limão
Ou se acaso eu sou o sal
Que eu responda sim ou não
Num lance assim sentimental!
Só não posso ser a tequila
Que tonteia e lhe tira o chão,
Sou mais a brisa tranquila
Ou fogo que incendeia a paixão!
Sei que não sou a caipirinha
Mas posso ser o açúcar cristal
Ambos numa mexidinha
Com um requinte sensual!
Jamais pensei em ser cerveja
Dreher, conhaque, ou pinga!
Assim sou e se me deseja...
Esta é a minha jinga!
Não sou uísque, ou vinho...
Chope, cachaça, ou amarula  
Mas sou o canudinho
Por onde a boca me chupa!
No bar eu sou o cara
Que você engole com os olhos
Posso ser uma joia rara
Que em teu dedo vem em sonhos!
Sou a boca que morde
Os teus lábios macios
Da melodia sou o acorde
Nas tuas costas o arrepio!
Não sou o suco da laranja
Muito menos a agua ardente
Eu sou a agua que você esbanja
Em teu corpo profanamente!
Eu sou um cara verdadeiro
Não estou aqui caçando assunto
Se me chamar de velho barreiro
Vou te socar, mas estamos juntos!
By Osny
Postar um comentário

Postagens mais visitadas